domingo, 23 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO -O FIM


Senta-se e começa a escrever sobre isso...

O prazer que lhe percorria o corpo... Como se sentia vivo...

O Detective Latitude deixa de ser o profissional apaixonado e assertivo que surpreendia o Inspector para se tornar desleixado, desinteressado.

E, quando deixa escapar um suspeito, é a gota de água e é suspenso.

Jaime sorri quando relê o manuscrito. Está perfeito...

Mas perfeita não está a relação com Carolina que saiu de casa após ter lido o primeiro rascunho.

Jaime não sabe onde ela está agora... 

Talvez Leonardo saiba, mas não diz nada, pois adorou o primeiro livro a solo de Jaime e está atarefado com a campanha publicitária de promoção.

Quanto a Matilde, Jaime também não tem notícias dela. Talvez esteja já em Itália...

Talvez Jaime vá lá passar umas férias... e o que lá acontecer, quem sabe?, pode tornar-se num novo livro do Detective Latitude.

Ou não...

Jaime está vivo, feliz ... e o seu novo livro reflecte tudo isso...

Um thriller muito sensual, muito intenso...


FIM

quarta-feira, 19 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE VII



" Sim, porque... " continua Carolina " a esta altura, já tinhas delineado o crime e escrito os possíveis suspeitos. E, não há nada!" concluí.

" Que disparate! A pesquisa está a ser mais complicada do que eu esperava! " disfarça Jaime.

" Tens a certeza? " pergunta friamente Carolina " É que o Leonardo perguntou-me se um dos personagens vai ser uma stripper, uma vez que estiveste a falar horas com uma na outra noite..."

" Lá estás tu a dramatizar, Carolina! Que importância tem isso??? " atalha Jaime, com vontade de bater no Leonardo. " Quis saber detalhes sobre a dança, o que ela sentia..."

" E, porque é que não escreveste isso? Não escreveste uma linha... Nem sequer sei quem é a personagem principal, que, diz o Leonardo, talvez seja o Latitude... Vá lá, Jaime, responde! Estiveste com uma outra mulher, essa stripper? " repete Carolina.

" NÃO!" grita Jaime " E, não sei qual a pressa do Leonardo! Nem falamos de prazos! Só lhe expus a ideia!" queixa-se.

" Então, fala com ele!" aconselha Carolina, visivelmente irritada e saindo da sala.

Jaime prepara uma bebida e reflecte na cena. Para já, não vai falar com o Leonardo; que idiota! pensa.

A Carolina até tem razão; ele pouco escreveu.  Nem tem vontade de o fazer!

Tudo em que pensa resume-se ao prazer que teve abraçado ao corpo de Matilde...


CONTINUA

domingo, 16 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE VI


 “ Não, queria algo mais intenso. Queria as cenas de sexo mais sensuais...” 

Carolina interrompe-se e olha-o. “ Não me disseste nada sobre o que viste no Clube. O que achaste? Foste lá ontem, não foste?” pergunta.

Sim, fui. Falei com o porteiro, com o barman, até com algumas das dançarinas. Não é mesmo necessário fazer do clube um lugar perverso.” repete o Jaime. 

“ Que tal lavagem de dinheiro?” sugere.

Carolina abana a cabeça e diz: “ Estou atrasada. Porque não exploras isso? “

Minutos depois, a porta bate e Jaime fica sozinho no estúdio. 

Mas não escreve; resolve telefonar a Matilde e combinam encontrar-se no estúdio onde ela é professora.

Não é uma surpresa quando a Matilde sugere tomarem café no apartamento dela e os beijos serem tão íntimos que amaram-se intensamente é o único passo que podem dar.

Quando regressa a casa, feliz e a assobiar, é interceptado de imediato pela Carolina, que não está nada feliz.


Dizes-me onde estiveste até agora? O Leonardo telefonou; quer saber se já lhe podemos enviar um esboço do livro. "

" Já? Ele deu-me um prazo de 10 dias!" reclama Jaime.

"  Não sei... Mas responde-me; onde estiveste até agora? Com outra mulher?" pergunta Carolina friamente.

Jaime olha-a estupefacto. Como? 

CONTINUA

quinta-feira, 13 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE V


Há muito que não se sente assim – vivo. 

E, curioso, decide voltar ao clube naquela noite.

Quando a Carolina regressa, pede-lhe para ler o que escreveu. 

Carolina sugere algumas alterações e o resto do dia é passado a reescrever e a definir melhor as personagens.

Carolina decide não lhe falar das aulas de dança e o Jaime limita-se a dar uma versão simplificada da conversa com a dançarina.

Volta a sair naquela noite e a procurar a companhia da Matilde.

Hoje a conversa é sobre viagens e Matilde fala-lhe sobre a vontade que tem em visitar Milão.

É por isso que está a estudar Italiano, confessa e Jaime fica espantado.

Também dá aulas de dança numa academia, explica e dançar ali no Clube ajuda a equilibrar um pouco mais o orçamento.

Jaime acena que sim e sugere um outro encontro, noutro local, durante o dia.

Almoçar talvez? E sente-se corar como se tivesse outra vez quinze anos.


Se ficou surpreendida, Matilde não o demonstra e combinam um almoço para dali a dois dias num restaurante sossegado da Baixa.

Quando acorda, Carolina já está sentada ao computador a rever as notas do dia anterior.

Parece aborrecida e talvez tenha razão, admite, mas hoje não está com disposição para grandes discussões.

Por isso, senta-se e lê o que a Carolina escreveu.

Uau! Está impressionante esta descrição da dança de varão.” confessa.

Acho que é importante para situar a acção!” explica a Carolina, sem um sorriso. 
“ Há muita gente que a pratica apenas para esculpir o corpo e sentir-se sensual.”

Escusamos realmente de pintar o clube como um antro de perdição.” concorda o Jaime “ E o nosso detective pode apaixonar-se pela dançarina.”


CONTINUA

terça-feira, 11 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE IV


Jaime chega entretanto e interrompe-a.


Conta-lhe que editor está entusiasmado com a ideia do thriller erótico e que os dois decidiram ir naquela noite a um clube de strip.

Os dois? A que propósito?” pergunta Carolina.

Para conhecer o ambiente, falar com alguns dos clientes, com o barman, o segurança.... Para ser mais fiável! Fazemos sempre pesquisa, Carolina!” protesta Jaime.

Certo, mas...” mas decide não dizer mais nada. 

O dia passa a correr e depois do jantar, Jaime sai e promete voltar cedo.

Mas já passa das quatro da manhã quando regressa, eufórico. 

Promete contar-lhe tudo de manhã (mas já é de manhã, pensa a Carolina) e adormece de imediato.

Quando acorda, está de ressaca e pouco tem a dizer sobre o que se passou na noite anterior.

Carolina fica aborrecida e sai para ter a sua primeira aula de dança de varão. 

Não é nada do que pensa; limita-se a fazer exercícios para fortalecer os músculos e aprende a forma correcta de agarrar o varão.

Entretanto, Jaime lê as notas da noite anterior e prepara o primeiro capítulo.

Mas a bailarina com quem falou ontem não lhe sai da cabeça.

Era alta, elegante, ruiva e falou sem qualquer preconceito.

Olhou-o nos olhos e estava completamente à vontade na sua semi-nudez.

Sim, adorava dançar no varão. 

Permite-lhe ser criativa e não, não pensa nos homens ali presentes enquanto dança.

Concentra-se apenas na dança e despir-se faz parte do acto. 

A pele desempenha um papel importante na dança, acrescenta com um sorriso que lhe tira a respiração.


CONTINUA

domingo, 9 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE III


Nas primeiras academias que visita não há dança de varão.  

Há, sim danças latino-americanas e hip-hop, mas ainda não decidiram explorar essa vertente, explicam.

Carolina fica com a ideia de que a consideram como uma dança obscura, perversa e anota no bloco:

Dança depravada, ligada ao lado escuro da vida?” e vai à procura de uma outra academia.

Sim, aqui ensinam dança de varão e quer a Carolina assistir a uma aula e falar depois com uma instrutora?

Diz que sim e entra num estúdio onde umas quatro, cinco mulheres estão a fazer alongamentos.

Para aquecer os músculos, explica a recepcionista e saí.

Carolina fica fascinada com os movimentos sensuais que executam, mas a instrutora avisa-a de que é uma aula para “avançadas” e convida-a a participar numa aula para principiantes para “ se familiarizar com o varão e entrar em contacto com o seu corpo.”

Eu numa aula de dança do varão?” diz incrédula a Carolina. 

A instrutora sorri e repete: “ Vai ser óptimo para a sua pesquisa e para a sua personagem.”

Não a considera uma dança marginal, obscura?” pergunta a escritora, mas a outra abana a cabeça e diz: 

“ Não, vai sentir-se sensual, sexy, perfeita!” e Carolina aceita o desafio.

Promete voltar no dia seguinte e apressa-se a sair. 

Quando chega a casa, o Jaime ainda não está e Carolina liga o computador.

Organiza as notas numa pasta que grava com o nome de “Erótico”. 

CONTINUA

quinta-feira, 6 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO - PARTE II


No dia seguinte, Jorge almoço com o agente e expõe-lhe a ideia para o novo livro.

" Um thriller erótico???" repete Leonardo com a mesma cara de dúvida de Carolina " Mas com as personagens habituais? Não estou a ver o discreto Inspector Casaca a ter um affair!" e ri-se.

Jaime abana a cabeça e explica: " Por acaso, estava a pensar no ajudante dele, o Detective Latitude! É mais jovem, é divorciado, está livre."

Leonardo pondera e diz: " És capaz de ter razão! O Latitude vai confundir a vida tão certinha do Inspector! Já tens alguma ideia? " questiona.

 " Tenho que fazer alguma pesquisa... Como ir a um club de striptease... queres vir? "  sugere, malicioso.

Leonardo ri com vontade e concorda: " Estou um pouco velho para isso, mas quero ter a certeza de que não ficas com os olhos em bico. Diz-me uma coisa: a Carolina concordou com a ideia? " pergunta.

A Carolina continua com as suas dúvidas, mas consulta o Google para saber mais sobre a dança de varão, o vestuário, o ambiente que se vive. 

Encontra alguns vídeos que vê atentamente, mas não responde verdadeiramente às dúvidas que tem.

Há também artigos de revista e anúncios de ginásios.  Carolina não hesita; toma nota dos endereços e....

Vai até lá....


CONTINUA

terça-feira, 4 de julho de 2017

THRILLER ERÓTICO



E se escrevêssemos um thriller erótico?” sugere o Jaime à Carolina enquanto jantam naquele restaurante sossegado na esquina.

Um thriller erótico?” repete Carolina surpreendida “ O que estás a sugerir exactamente? Tipo “Sombras de Grey?”

Não, nada disso. Um crime, um amor proibido... Sexo, paixão...” explica o Jaime.

Dança de varão, um clube de striptease... Um detective corrupto?” ajuda Carolina.

Jaime sorri e tira do bolso do casaco um pequeno bloco. Abre-o e escreve:

Clube de Striptease, dança de varão... Detective corrupto? Suborno? Drogas?“ propõe.

Uma dançarina exótica a seduzir um deputado?... Não, é muito banal!” desabafa Carolina. 

Jaime até gosta da ideia e contrapõe:

O tema é actual; basta leres o jornal!” e escreve “ pesquisar notícias sobre escândalos”.

Carolina fica pensativa uns minutos e depois concorda: 

“ É capaz de resultar... Mas temos muito que pesquisar... Não sei nada sobre a dança de varão!” confessa a rir.

Jaime ri também e o resto da noite é passada a discutir possíveis enredos.

CONTINUA

domingo, 2 de julho de 2017

O FILME - O FIM



Nessa noite, volto a ler o meu argumento e penso no que o meu amigo disse.

Um conto com uma maior definição das personagens, da situação...

Com ou sem diálogos... Com ou não personagens humanas....

Talvez resulte...  Porque não?

Abro o Word e hesito...  Devo escrever o título primeiro?

Penso nisso depois e começo a escrever. 

Calmamente, mas quando olho para o relógio e vejo que já passa da meia noite, tenho seis páginas escritas.

Gravo, desligo o PC.  Amanhã leio o que escrevi e o que não gostar, posso sempre cortar.

Mas acho que não vou cortar nada... 

Deito-me satisfeita e adormeço rapidamente...

Sem dar voltas e mais voltas na cama, com a cabeça pesada e o corpo tenso.

Há muito tempo que não me sentia tão leve!


FIM

sexta-feira, 30 de junho de 2017

O FILME - PARTE IV


No dia seguinte, ao almoçar com um amigo, explico-lhe tudo sobre a minha ideia.

Ele ouve atentamente, talvez satisfeito pela conversa ser finalmente sobre alguma coisa que me apaixona e sugere:

" Mas porquê escrever um argumento? Porque não um conto? Tens duas personagens, uma ideia do que vai acontecer... Porque não tentas? "

" Achas? " pergunto, admirada e ele sorri. 

" Claro que sim! Colocas os teus personagens numa determinada situação e imaginas a reacção deles. Não disseste que um deles quer " apimentar" os livros que escrevem? Um clube de strip é capaz de ser uma boa ideia...." diz.

" Mas não sei nada sobre Clubes de Strip!" admito, mas o meu amigo não desiste e incentiva-me a fazer pesquisas no Google, no YouTube.

" És boa rapariga, mas não compreendo essa tua mania de dizeres sempre que não. Depois até consegues, mas a tua primeira reacção é sempre dizer não." concluí.

Despedimo-nos à porta do restaurante e fico a matutar na ideia durante a tarde.

Felizmente, não tenho nada de importante a reclamar a minha atenção imediata e posso divagar um bocadinho durante o expediente.

Ok, NÃO DEVIA! 

Mas estamos numa fase calma... é tempo de férias...

CONTINUA

terça-feira, 27 de junho de 2017

O FILME - PARTE III


Aqui diz que um argumento é " um documento que precede o guião".

Por isso, é a história em si... Ok, já compreendi....

"Qual é a história que quero contar?" Pergunto-me com a caneta no ar e a folha pronta para o primeiro rabisco.

" Carolina e Jorge, uma dupla de escritores em crise. Em crise como casal e como escritores. " acrescento. 

"Mas o que é que eu sei sobre crises matrimoniais?" interrompo-me.

As discussões dos vizinhos à horas impróprias? Ou as que surpreendemos nos passeios?

" Jorge quer mudar a estratégia do próximo livro. Diz ele que os enredos começam a ser repetitivos e têm que introduzir fantasia, sensualidade, erotismo.
Carolina está apreensiva; está fora da sua zona de conforto. Mas Jorge assegura-lhe que é exactamente isso que falta.
Nos livros ou em nós como casal? Pensa Carolina, sem se atrever a dizer alto."

Releio as frases e gosto. Gosto mesmo muito....

Se não fosse a discussão diabólica dos vizinhos, creio que nem jantava, tão entusiasmada estava.

CONTINUA


sábado, 24 de junho de 2017

O FILME - PARTE II



MAS TENHO QUE FAZER QUALQUER COISA!!! Decido....

Porque não posso continuar a escrever em maiúsculas para exprimir toda a minha indignação, frustração... 

Sei lá o que hei-de dizer mais...

Resolvo, então escrever um argumento para um filme. 

Isto significa que tenho fazer alguma pesquisa.

Porque não sei realmente como escrever um argumento...

Bastará ter uma boa história?

E o que devo fazer relativamente a personagens? Fortes, problemáticos?

Estou tão habituada a falar na primeira pessoa...

Faço uma pesquisa no Google... Ai, o que é isto?

Guião, Roteiro, Argumento.... É a mesma coisa ou há alguma diferença?

SOCORRO!!! Lá volto eu a escrever em maiúsculas...

CONTINUA




quinta-feira, 22 de junho de 2017

FILME



Se a minha vida dava um filme???

Só se fosse um filme de terror, daqueles que faz com que se salte da cadeira e grite...

Porque é isso que tenho vontade de fazer: GRITAR com letras maiúsculas. 

Sabem o que quero dizer?

Porque é impossível que tudo corra mal todos os dias.... 

Não haja uma palavra de alento, de confiança, de simpatia... Está tudo doido, só pode dizer...

Talvez eu já esteja a ficar contagiada por essa loucura... 

Até já nem me apetece ler um livro.... Eu que adoro livros!!!

CONTINUA

quarta-feira, 21 de junho de 2017

AGAPITO - O FIM


" Com o que se diz..." disse o Livramento e, como o Agapito continuava perplexo, acrescentou:

" Digamos que alguns dos meus negócios não são assim tão claros como este, compreendes? Não te preocupes! Está tudo controlado." e saiu apressadamente.

Como se tivesse visto o Diabo!

O Agapito sentou-se e ficou imóvel por uns minutos. Na sua mente, já se via numa cela minúscula como mostram os filmes americanos.

Quem era o Francisco Livramento na realidade? O que é que sabia sobre ele? De que negócios estava ele a falar?

Drogas? Lavagem de dinheiro?... Agapito deu um murro na mesa....

Claro que era lavagem de dinheiro... Como é que pode ser tão ingênuo?

O que é que devia fazer agora? Fazer dos ginásios um sucesso e mantê-los fora de qualquer investigação policial.

E foi bem-sucedido até ao dia em que o Livramento lhe pediu para confirmar o álibi e foi interrogado pelo Inspector Leandro....


FIM